SOBRE CICLOS E COISAS DA VIDA

Vamos conversar um pouco sobre evolução pessoal, sobre os ciclos que passamos na vida e como é bom nos libertarmos de alguns paradigmas na nossa vida.

07 de Novembro é a data em que sempre encerro e começos ciclos, é o dia em que paro pra pensar em como meu “ver a vida” se alterou e a consciência de que vivemos do jeito que escolhemos nos leva á caminhos diferentes do que imaginamos um dia viver. É o dia que faço aniversário.
Hoje com 25 anos – nunca pensei o que estaria fazendo da minha vida quando o tivesse 25, assim como não penso em como será quando eu tiver 50 – consigo avaliar o passado e ver o quanto evoluí nesses ciclos todos ao qual já passei.

Não preciso ir muito atrás para perceber isso. Este ano de 2017 foi um divisor de águas na minha vida. Me vi fazendo coisas que nunca imaginei que faria, escutando músicas, gêneros musicais e artistas que eu jamais imaginei ouvir e gostar.

Me encontrei em um caminho espiritual. Religião é sempre complicado de se conversar porque muitas vezes acaba em discussão, e hoje, sinceramente eu tenho uma preguiça gigantesca de ter de discutir sobre essas coisas. Eu aprendi a respeitar a opinião dos outros, ou pelo menos não me manifestar sobre, o que na minha visão já é uma vitória em comparação ao que eu fazia antes.
O que eu posso dizer, é que aprendi que nenhum caminho é certo ou errado, claro, existem pontos positivos e negativos em tudo nessa vida, porém, quem sou eu pra dizer que a minha verdade é mais verdade que a sua verdade… Entenderam?

Nós crescemos e aprendemos o que nosso pais nos ensinam, e os pais deles cresceram e aprenderam o que os pais deles também ensinaram, e assim por diante em uma corrente de antepassados.
Assim como eu ensinarei, se algum dia eu tiver filhos, o que  na minha visão é certo ou caminho que eu sigo.
Isso não quer dizer que ele necessariamente seguirá ou vai gostar deste caminho, e quando ele tiver idade e consciência suficiente, decidirá por si só.

Profundo né! Se você pensar, tudo na vida é assim, quando obtemos consciência sobre as coisas, nós decidimos se algo acrescenta ou não, se nos faz bem ou não, se é preciso mudar a rota ou não… Crescemos e aprendemos todos os dias.

“Crescer significa mudar e mudar envolve riscos, uma passagem do conhecido para o desconhecido.” – A Cabana

Voltando o foco, nesse ciclo que se passou também aprendi que toda doença que se manifesta no nosso corpo, ou é por conta da nossa alimentação ou por conta da nossa mente.
Na realidade, toda doença primeiro começa na mente, depois disso você desconta na comida.
Não digo que a culpa é totalmente sua.
Nós crescemos ingerindo alimentos que fazem extramente mal ao nosso corpo humano, e hoje, ainda bem, temos acesso à estas informações. Porém, à partir do momento que você sabe que determinados alimentos fazem mal e você continua consumindo, aí sim, a culpa é sua!

Nunca me interessei por alimentação, não pelo fato de ser saudável ou não, ser orgânico ou não, mas pelo fato de pensar se o que eu comia estava me nutrindo no que eu precisava ou só era, ok comida.
Acho que ficou confuso né…
Enfim, nunca me importei se o Hotdog que eu comia ia me fazer mal, (porque a salsicha minha gente, hoje sei que causa câncer) ou se o sorvete que eu tomava, além de gostoso, era uma bomba de calorias loucas e cheia de coisas que eu nunca tinha ouvido falar.

Esse ano eu aprendi que tudo que eu como transparece no meu corpo, isso não quer dizer que eu nunca mais vá comer fast food, ou que nunca mais colocarei açúcar, glúten e laticínios na minha boca, pelo contrário, eu saberei exatamente o que estou comendo. Portanto, serei responsável caso eu venha a ter uma crise de inflamações nas minhas glândulas endócrinas.
HAHAHA vocês vão achar que eu estou ficando doida né…
Sinceramente, eu encorajo vocês a pesquisarem um pouco sobre os alimentos antes de dizer:” eu não tenho peso na consciência por comer esse MC todos os dias e tomar esse refrigerante com meia lata de açúcar.”.

Entrando no assunto de exercícios físicos, esse ano foi maior fiasco.
Comecei e parei diversas vezes, me motivei e me desmotivei outras tantas, me comparei ás outras pessoas e corpos 1001 vezes, chorei sozinha por aí por pensar em quão fracassada eu fui, fiquei extremamente feliz por superar meus limites. Foram muitas emoções!
Só que uma coisa que eu só parei pra pensar depois, foi que eu fui lá fiz gente!
Mesmo que não tenha mantido um ritmo e virado a louca da academia, ou ter conseguido correr uma maratona, emagrecido os 8 kgs que eu gostaria. EU SAÍ DA INÉRCIA.

Já fiz um post falando sobre hábitos e como é difícil mudá-los, Clica aqui pra ler, e faz parte da vida.
Mudar dói, machuca, é como tirar casquinha de um machucado, dói, mas vai melhorar.
E pensando, fui melhor que muita gente que nem tentou ou nem teve consciência do quão importante é você praticar uma atividade física, movimentar o seu corpo… Não por neura, mas por saúde, por amor a essa estrutura que te mantém aqui.

“A vida é um ciclo, ninguém chega ao topo sem humildade para recomeçar. Ninguém é tão sábio que não possa aprender ou tão inexperiente que não possa ensinar. Somo a soma de todos os nossos afetos.”

Pra encerrar, quero falar um pouquinho sobre relacionamentos.
Já imagino que poucas pessoas lerão todo esse textão, mas os que lerem até o final ficarão felizes por verem o quão normal e humanos somos!
Quando digo relacionamentos, não digo somente namorado(a), digo relação família e amigos também.
É tão libertador quando você adquiri a consciência de que você não pode e nem vai conseguir mudar as pessoas. Você deixa de gastar energia com discussões, bate-bocas e começa a parar de contrariar.
Cada pessoa é única e não podemos interferir no livre-arbítrio de cada um. Claro, você pode colocar seu ponto de vista, ensinar coisas, explicar outras, porém, nunca exigir que alguém aceite ou faça como você. Isso não vai acontecer.

Precisamos ter mais em mente a dica que eu deixei acima: “a minha verdade nunca será mais verdade do que a verdade da outra pessoa”. Todos nós somos suscetíveis à erros, ninguém nasce perfeito. Quanto antes entendermos isso, mas rápido estaremos libertos de julgar alguém.
Não é uma tarefa fácil, porém, você sabendo disso verá quão mais fácil pode ser a vida.

O grande segredo é a vigilância dos sentidos, das emoções e do nosso pensar.
Sejamos mais vigilantes com o que falamos, pensamos e criamos e com certeza seremos pessoas melhores nesse mundo que precisa tanto de pessoas mais conscientes das suas escolhas e de seus atos.

Eu espero, de verdade, que você tenha gostado desse novo formato de post, como se fosse uma conversa franca com um amigo e que eu tenha te passado algo bom, útil, construtivo e que isso alimente os seus pensamentos para coisas boas e melhores.

 

Deixe seu comentário que com certeza vou te responder, e, quem sabe você pode compartilhar esse texto com alguém que venha na sua cabeça. Talvez ela também esteja precisando ler uma coisa boa hoje.

 

 

No Comments

Leave a Reply